Relátório da Cisco prevê ‘explosão’ no tráfego da Internet
06
junho
2013

A “Internet das Coisas” terá impacto mensurável sobre as redes IP mundiais. Globalmente, o número de conexões M2M triplicará em cinco anos

 

O tráfego de dados IP deverá triplicar no mundo em cinco anos, de acordo com o estudo Cisco Visual Networking Index.  O volume de informações chegará a uma taxa anual de 1,4 zettabytes – mais de um trilhão de gigabytes, alcançando aproximadamente 121 exabytes por mês até 2017, contra cerca de 44 exabytes por mês em 2012 (121 exabytes equivalem a 30 bilhões de DVDs, ou 28 trilhões de MP3; ou 750 quatrilhões de mensagens de texto).

 

“O Cisco VNI mostra mais uma vez a demanda aparentemente insaciável por largura de banda em todo o mundo e fornece percepções sobre as considerações de arquitetura necessárias para acompanhar os crescentes eventos sendo entregues. Com cada vez mais pessoas, coisas, processos e dados sendo conectados na Internet de Todas as Coisas, a rede inteligente e os prestadores de serviços que as operam são mais relevantes do que nunca”, afirma Doug Webster, vice-presidente de marketing de produtos e soluções da Cisco.

 

No Brasil o tráfego de dados IP deverá mais do que dobrar em 2017, devendo chegar a 3,3 exabytes por mês, contra os 1,5 exabytes em 2012. Em outra palavras, o tráfego no Brasil em 2017 será o equivalente a 10 bilhões de DVDs por ano, 822 milhões de DVD´s por mês ou um milhão de DVD´s por hora. A estimativa é que um volume de dados equivalente em gigabytes a todos os filmes feitos até hoje vá cruzar a rede IP do País a cada duas horas.

 

Mais da metade da população brasileira (52%) terá acesso à Internet em 2017. Serão 110 milhões internautas no País, frente aos 67 milhões em 2012. Já, no mundo, serão cerca de 3,6 bilhões de usuários de Internet – mais de 48% da projeção demográfica mundial (7,6 bilhões). Em 2012 havia 2,3 bilhões internautas, 32% da população mundial (7,2 bilhões).

 

 

Conexões M2M, o destaque

 

Em 2017, haverá mais de 19 bilhões de conexões de rede (dispositivos fixos, móveis, conexões M2M, etc.), em comparação com os 12 bilhões registrados em 2012, quando 26% do tráfego da Internet teve origem nos dispositivos não PC. Até 2017, no entanto, a participação dos dispositivos não PC crescerá para 49%. O tráfego originado nos PCs crescerá numa taxa composta anual de 14%, enquanto outros dispositivos/conexões terão taxas de crescimento de tráfego maiores ao longo do período de previsão ? TVs (24%), tablets (104%), smartphones (79%) e módulos máquina a máquina (M2M) (82%).

 

O prognóstico da Cisco também revelou que a “Internet das Coisas” está mostrando um crescimento tangível e terá um impacto mensurável sobre as redes IP mundiais. Globalmente, o número de conexões M2M triplicará, passando de 2 bilhões em 2012 para 6 bilhões até 2017. O tráfego IP global anual de M2M crescerá 20 vezes nesse mesmo período — de 197 petabytes em 2012 (0,5% do tráfego IP global) para 3,9 exabytes até 2017 (3% do tráfego IP global). Aplicações como vídeo vigilância, medidores inteligentes, rastreadores de ativos, animais de estimação/rebanhos com chips, monitores digitais de saúde e uma série de outros serviços M2M de última geração estão impulsionando esse crescimento.

 

No Brasil haverá 611 milhões de dispositivos em rede em 2017, um aumento em relação aos 412 milhões em 2012. Serão 2,9 dispositivos em rede por habitante em 2017, um aumento em relação à taxa de 2 por pessoa em 2012. Os PC´s representaram 95% do tráfego IP no Brasil em 2012 e serão 80% do tráfego IP em 2017. Já os dispositivos portáteis, como smartphones e tablets representaram 1% do tráfego IP em 2012, com projeção de aumento para 10% em 2017.

 

 

Tráfego IP Corporativo triplicará

 

O tráfego IP corporativo global, que inclui Internet, backup, VoIP, etc, quase triplicará entre 2012 e 2017. Em 2012, o tráfego IP corporativo representava 20% do tráfego IP global total mensal (o tráfego IP de consumidor representou 80% do tráfego IP global total mensal). Até 2017, o tráfego IP corporativo representará 18% do tráfego IP global total mensal (o tráfego IP de consumidores representará 82% do tráfego IP global total mensal).

 

O tráfego de vídeo de internet de negócios aumentará 5,3 vezes entre 2012 e 2017. Os vídeos representarão 58% de todo o tráfego de internet de negócios em 2017, comparado a 31% em 2012.

 

Globalmente, havia 1,408 bilhões de usuários corporativos de Internet em 2012; estima-se que haverá 1,965 bilhões de usuários corporativos de Internet em 2017 (6,9% CAGR).

 

Também globalmente, havia 495 milhões de usuários corporativos de telefones móveis em 2012; estima-se que haverá 565 milhões de usuários corporativos de telefone móveis em 2017 (taxa composta de crescimento anual de 2,7%).

 

 

Banda larga

 

Espera-se que a média global de velocidade de banda larga fixa aumente cerca de 3,5 vezes entre 2012 e 2017, passando de 11,3 Mbps para 39 Mbps.

 

A velocidade média da banda larga no Brasil aumentará 2,5 vezes entre 2012 e 2017, passando de 5,5 Mbps para 14 Mbps. As velocidade das conexões móveis crescerá 7 vezes até 2017, atingindo uma velocidade média de 1.7 Mbps. Mais da metade (58%) das conexões de banda larga será mais rápida do que 5 Mbps em 2017, um aumento em relação aos 42% de hoje, e 31% mais velozes do que 10 Mbps.

 

O  tráfego de conexões fixas Wi-Fi vai crescer três vezes entre 2012 e 2017, alcançando 1.7 Exabytes por mês em 2017 no Brasil.

 

É por isso que a 2R DATATEL vem ao longo de todos estes anos, trabalhando e colaborando para que isso ocorra de maneira otimizada, através de seus colaboradores e parceiros.

 

Fonte : IDG NOW!

 

 

 

| Tags:
  • 652 View
  • Leave a Comment